Redução na atividade industrial impacta nas importações em junho

A redução na atividade econômica em Santa Catarina também pode ser observada pela evolução da balança comercial. Registrando um total de U$ 1.484 bilhões movimentados, sendo U$ 602 milhões exportados e U$ 882 milhões importados, o estado registrou retração de 32,0% nas importações em junho, na análise anual. Esse desempenho demonstra uma redução no nível da atividade industrial em Santa Catarina, que é demandante de produtos industrializados. As exportações registraram uma redução um pouco inferior, de 19,7%, em parte pela demanda chinesa de carne suína – que registrou expansão de 29,5%.


Exportações de Santa Catarina

As exportações de Santa Catarina movimentaram U$ 602 milhões, registrando uma retração de 19,7% em junho, na análise anual. O desempenho só não foi menor em função da demanda chinesa por carne suína, mantendo o desempenho dos últimos meses de aquecimento no setor. Os estoques chineses continuam baixos para a demanda da população, o que deverá manter-se elevado as exportações ao longo de 2020. Além disso, um dos fatores que mantém a procura pelo produto catarinense é o elevado investimento em saúde animal e garantias da qualidade do produto, sendo reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal.


Entretanto, as exportações de carne de aves demonstraram retração de 46,6%, na análise anual. Diferentemente da carne suína, o mercado de aves em Santa Catarina possui menor concentração entre os países compradores. Por essa razão, países que ainda estão com o avanço da pandemia ou tiveram suas economias impactadas pela redução do preço do petróleo, acabaram importando menos do estado. Esse cenário é observado em países como Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Hong Kong e Chile.


A movimentação de soja, que vinha registrando expansão nos últimos meses, registrou queda de 46,6%. As altas dos últimos meses estiveram relacionadas ao represamento de safra e baixos estoques na China. O segmento de motores elétricos, por sua vez, apresentou queda de 37,0%, na análise anual. A redução possui relação direta com a diminuição na atividade econômica em decorrência do avanço da pandemia.


Entre os principais países de destino das exportações de Santa Catarina, destaque para os Estados Unidos que registraram queda de 15,6% na análise anual. O país ainda apresenta evolução da pandemia em diferentes estados.


Importações de Santa Catarina

As importações de Santa Catarina movimentaram U$ 882 milhões, registrando retração de 32,0% na análise anual. Esse desempenho demonstra a redução na atividade industrial no estado, impactado principalmente pelos reflexos negativos da pandemia sobre a atividade econômica mundial. Em nível nacional, a redução foi de 19,8%.


Destaque para a retração na importação de cobre refinado, muito utilizado em indústrias como metalurgia; veículos; máquinas e aparelhos elétricos; e máquinas e equipamentos. Esses setores registraram retração na produção industrial no mês de maio, o que corroborou com redução das importações de cobre em junho. Na análise anual, a retração na importação foi de 51,4%.


Desempenho semelhante é observado nas importações de fertilizantes. Insumo utilizado na plantação de diferentes grãos como, por exemplo, soja, apresenta desempenho semelhante às exportações desse produto no mês. De todo modo, é importante destacar que as importações para esse tipo de produto seguem o calendário agrícola, isto é, o ciclo de plantio de diferentes culturas.


Em contrapartida, houve aumento nas importações de produtos laminados e polímeros de etileno. Os produtos laminados possuem como destino as indústrias de metalurgia, alumínio e construção civil. Já polímeros de etileno são muito utilizados na produção de garrafas plásticas e embalagens, atividade que faz parte da cadeia produtiva de alimentos – setor com maior nível de atividade econômica durante a pandemia em Santa Catarina.


A compra de produtos junto aos principais parceiros registrou em junho retração. Destaque para os produtos com origem na China, que registraram queda de 32,9%. Os produtos chineses são muito pulverizados, apresentando ramificações em diversas atividades produtivas em Santa Catarina. Em relação à Argentina, com redução de 37,0% em junho, na análise anual, é observado retração considerável na importação de veículos, com redução de 77,2%. O Chile é o principal fornecedor de cobre refinado à Santa Catarina, produto que representa 14,4% das importações com origem no país. Por essa razão, a redução na importação de cobre impactou na redução de 34,5% das importações com origem no Chile. Estados Unidos, por sua vez, registrou redução de 5,5%.


É importante destacar que o aumento da volatilidade no câmbio gera dificuldade por parte dos industriais em planejar a compra de produtos industrializados e insumos para suas produções. As desvalorizações cambiais recentes aumentam o custo do importador que, somados às incertezas quanto ao avanço da pandemia, afetam a previsibilidade de geração de receitas, insumos e estoques.


Balança comercial nacional

A balança comercial nacional registrou superávit de U$ 7,46 bilhões, registrando maior saldo para o mês de junho. Reflexo da redução nas importações, muito em parte da redução do nível de atividade econômica, o superávit na balança comercial pode trazer benefícios fiscais ao país – inclusive sustentando a retomada econômica à medida que a pandemia vá perdendo força.


As exportações para a China, principalmente de produtos agroalimentares, também demonstraram expansão nas exportações nacionais em junho, na análise anual. Muito em função da redução do ciclo epidêmico na China, o país vem apresentando sinais de melhora no nível de atividade econômica, refletindo positivamente nas exportações brasileiras.


Por conta do choque de demanda causado pela pandemia, os setores produtivos com maior valor agregado são os mais atingidos. Seja pelo impacto das restrições sanitárias locais ou pelo contexto interno de cada país na forma em amenizar o avanço da Covid-19. Esse é um dos motivos pelo qual o mês de junho registrou superávit recorde.

Na análise anual, as exportações nacionais registraram queda de 2,7% em junho. Enquanto isso, as importações registraram retração de 19,8%.


Santa Catarina apresentou o nono maior montante exportado em junho, quando comparado com outros estados. No acumulado do ano, entretanto, mantém-se na oitava posição. Em relação às importações, o estado manteve-se na terceira posição na análise anual.


No acumulado do ano, as exportações brasileiras registraram U$ 101 bilhões, representando queda de 7,1%. Santa Catarina alcançou U$ 4,0 bilhões no mesmo período, com redução de 12,2%. Em relação às importações, as compras internacionais foram o equivalente a U$ 79 bilhões, com redução de 5,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Santa Catarina registrou U$ 7,2 bilhões em mesmo período, com queda de 11,3%.



  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

Iniciativa da FIESC - Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Rod. Admar Gonzaga, 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001