Fibra eletrônica pode revolucionar o mercado de wearables

Pesquisadores da Universidade de Aveiro, em Portugal, desenvolveram uma fibra eletrônica que pode ser mesclada com outras fibras têxteis comuns, criando uma tecnologia que pode mudar a forma como os wearables são produzidos hoje em dia no mercado.


“É uma técnica que permite integrar dispositivos baseados em grafeno diretamente em fibras têxteis, mantendo o aspeto, flexibilidade e toque do tecido. Criamos sensores de toque, tal como os usados nos écrans e dispositivos que emitem luz”, explica a investigadora do Instituto de Materiais de Aveiro (Ciceco).


O novo material permite a criação de wearables mais duráveis e que dão a possibilidade de o usuário checar seu e-mail, por exemplo, ou conferir sua frequência cardíaca. A descoberta é interessante porque hoje os wearables são frágeis, fabricados colando os dispositivos nos tecidos. Dessa forma, a roupa não fica tão maleável e estraga facilmente. Com a nova tecnologia, as fibras eletrônicas estarão integradas à peça, fazendo com que os componentes sejam mais leves e de maior resistência. Com isso, ícones poderão aparecer na trama da peça.


“A combinação destes dispositivos permite, por exemplo, criar touch-screens em tecidos ou objetos revestidos com têxteis, para visualizar informações”, assegura a coordenadora do trabalho realizado na universidade portuguesa.


​A pesquisa foi feita em parceria com o centro de investigação em têxteis da Bélgica (Centexbel) e com a Universidade de Exeter, da Inglaterra


Para saber mais sobre a notícia: Fibra eletrônica pode revolucionar o mercado de wearables acesse aqui


Fonte: Fashion Network, 2019. Fotos: Shutterstock.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

Iniciativa da FIESC - Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Rod. Admar Gonzaga, 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001