Produção Industrial de Santa Catarina fecha o ano com trajetória positiva


Os resultados da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE mostram que a produção industrial catarinense recuou 2,7% na comparação com novembro de 2018. No confronto com o mesmo mês do ano anterior, o recuo foi de -1,3%. No acumulado do ano, a produção industrial avançou 4%, valor acima da média brasileira (1,1%), posicionando a indústria de transformação catarinense em 4º lugar no ranking de desempenho entre as Unidades Federativas.


A Produção Industrial Catarinense caiu 2,7% em relação a novembro deste ano, estando no rol dos 8 locais que tiveram variação negativa dos 15 pesquisados pelo IBGE nesse comparativo. Esse é o terceiro pior desempenho entre os estados. As maiores quedas na produção foram registradas por Pernambuco (-5,1%) e Rio Grande do Sul (-3,6%).

Do lado oposto, os melhores desempenhos foram observados em Goiás (10,5%), no Rio de Janeiro (4,3%) e no Amazonas (4%). Em comparação com o índice da produção industrial brasileira no mês de dezembro, o desempenho de Santa Catarina é 6,9 p.p. superior, conforme as flutuações do índice de base fixa (média de 2012).


Na comparação com dezembro de 2017, a produção industrial catarinense recuou -1,3%, valor inferior à média nacional (-0,9%). Esse desempenho coloca Santa Catarina no 8º lugar nacional. A liderança foi assumida pelo Pará, que cresceu 6,1% impulsionado pelo crescimento das indústrias extrativas (minérios de ferro em bruto ou beneficiados). A produção do Espírito Santo foi a segunda que mais cresceu, (3,4%), devido ao resultado positivo das indústrias extrativas (minérios de ferro pelotizados ou sinterizados) e metalurgia (bobinas a quente de aços ao carbono não revestidos, lingotes, blocos, tarugos ou placas de aços ao carbono e tubos flexíveis e trefilados de ferro e aço).


Os estados que registraram maiores recuos na produção industrial nesse comparativo foram Pernambuco (-7,6%) e São Paulo (-5,2%). O gráfico mostra que, no mês de maio, devido à greve dos caminhoneiros, a produção industrial catarinense foi fortemente impactada, porém já mostrou sinais de recuperação no início de junho. Desde então tem oscilado em movimentos de alta de queda.


No acumulado do ano, em relação ao mesmo período do ano anterior, a produção industrial de Santa Catarina cresceu 4%. Esse crescimento é inferior ao observado no fechamento de 2017, de 4,5%, mas é o segundo resultado positivo observado desde 2013. Nesse comparativo, o Pará assumiu a liderança pelo desempenho positivo da fabricação de produtos alimentícios (8,6%). Do lado oposto, os estados de Goiás (-4,5%) e Espírito Santo registraram (-1,0%) os maiores recuos na produção industrial.


Analisando isoladamente a indústria de transformação, o desempenho acumulado coloca Santa Catarina no 4º lugar no ranking da produção industrial por UF, atrás do Rio Grande do Sul (5,5%), Amazonas (5,4%) e Pernambuco (4,1%). Os estados do Pará (-9,3%) e Goiás (-4,6%) registraram recuo na produção industrial nesse comparativo, resultado do desempenho dos setores de Metalurgia (-33,7%), na indústria paraense, e do setor de fabricação de veículos automotores, reboques e carroceria na indústria goiana (-29,2%).


Na indústria catarinense, o resultado do ano é puxado pelas atividades de Metalurgia (23,6%), Produtos de metal (17,2%) e fabricação de produtos minerais não-metálicos (6,5%). As atividades de fabricação de máquinas e aparelhos elétricos e de produtos alimentícios foram as únicas que fecharam o ano em queda, recuo de 3,8 e 3,1, respectivamente.


Destaques da Produção Industrial Catarinense


De acordo com as informações da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) a produção nacional da indústria aumentou 1,1% em 2018, desempenho abaixo ao registrado em 2017, que fechou em 2,5%. Foi o segundo resultado anual positivo consecutivo, após sucessivas quedas entre 2014 e 2016, período da recessão econômica enfrentada no país, que impactou a indústria como um todo.


A recuperação também pode ser observada para o estado, que fecha o ano de 2018 com um crescimento acima da média brasileira, com 4,0% de aumento da produção. A indústria geral e a indústria de transformação catarinense encontram-se com números de produção acima dos patamares que antecederam a crise, o que marca a trajetória de crescimento do estado frente ao país.


Os setores industriais catarinenses que mais se destacaram no ano de 2018 foram Metalurgia (23,6%), Produtos de metal (17,2%), Produtos de minerais não metálicos (6,5%) e Produtos têxteis (6,4%). Destes, metalurgia foi o setor que mais sofreu com os impactos da crise, porém em 2017 mostrou forte recuperação, voltando a liderar o ranking de produção a níveis anteriores ao da recessão. Outro destaque é o setor têxtil, que frente ao cenário econômico não favorável dos anos anteriores se manteve com pouca variação, e desde 2016 vem crescendo.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

Iniciativa da FIESC - Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Rod. Admar Gonzaga, 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001