Análise do Emprego Industrial - Setembro/2018

Santa Catarina mantém segunda colocação nacional na geração de empregos na indústria de transformação

O mercado de trabalho de Santa Catarina registrou a abertura de 7.217 vagas com carteira assinada em setembro de 2018. Esse desempenho foi o 7º melhor do Brasil no mês, o que se associa ao 5º lugar no saldo de empregos total do ano, com 44.933 novos postos de trabalho. Na indústria de transformação, o desempenho catarinense também é o 7º melhor no mês, com 1.247 vagas de emprego, enquanto no acumulado o saldo total industrial é de 20.766, ocupando o 2º lugar do Brasil, atrás apenas de São Paulo. Os setores de destaque no mês são Alimentos e Bebidas, Madeira e Mobiliário e Químico e Produtos Farmacêuticos.



Análise do Saldo de Empregos


Os dados divulgados pelo CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – mostraram que o mercado de trabalho em Santa Catarina admitiu 75.515 trabalhadores e desligou 68.298 em setembro de 2018, o que resultou no saldo de 7.217, variação de 0,36% em relação ao volume do mês anterior. Entre os grandes setores, consolidam-se os resultados positivos da Indústria de Transformação (com saldo de 1.247), bem como o Comércio (1.951) e os Serviços (3.486). No acumulado de 2018, a economia catarinense criou 44.933 postos de trabalho.


Na Indústria de Transformação, em setembro de 2018, o saldo foi de 1.247, variação de 0,19% em relação ao estoque do mês anterior, colocando o Estado no 7º lugar entre as UF’s, enquanto que em primeiro lugar ficou Alagoas (12.686).


Em Santa Catarina, o líder no mês é o setor Alimentos e Bebidas, com 798 novos postos de trabalho, também se destacam os setores Madeira e Mobiliário (394 vagas) e Químico e Produtos Farmacêuticos (144).


Em 2018, a indústria de transformação acumula saldo de 20.766 empregos, com o destaque ao setor Madeira e Mobiliário, que soma 3.946 vagas. As atividades relacionadas a Têxtil e Vestuário e Alimentos e Bebidas se destacam como o segundo e terceiro setores que mais geraram vagas no ano, 3.468 e 3.176, respectivamente.


No comparativo com os meses de setembro dos oito anos anteriores (2010-2018), percebe-se que o mês é comumente associado a saldos de empregos positivos, a exceção de 2015. Ainda que aquém do desempenho de 2017, o resultado do mês atual é superior aos anos de 2014 a 2016.


No ano, o saldo de empregos acumulado novamente mostra-se inferior ao de 2017, movimento que passou a ocorrer após o mês de julho e vem se perpetuando até o momento, o que sinaliza a lenta retomada do crescimento econômico catarinense.


A rotatividade do trabalhador industrial de Santa Catarina em setembro foi de 3,8%, valor inferior ao mês anterior (4,4%) e à média de 2018 (4,0%). O valor catarinense também segue acima da média nacional e da Região Sul do Brasil.




Municípios


O gráfico 3 mostra os maiores destaques (positivos e negativos) no saldo total de empregos no ano para os municípios catarinenses. Os três maiores desempenhos ficaram entre Joinville (7.652), Blumenau (3.482) e Brusque (3.078). Do lado oposto ficaram Balneário Camboriú (-1.337), Florianópolis (-918) e Araranguá (-380). No mês, destacam-se Joinville com o maior saldo em termos absolutos (1.095 novos postos de trabalho), seguido por Brusque (com 563) e Criciúma (com saldo de 350). O desempenho inferior fica para São José, com uma perda de -926 postos. Além dele, Araranguá (-294) e Laguna (-59) também tiveram desempenho negativo.


Brasil e outros estados

Em setembro de 2018, o Brasil apresentou expansão do emprego formal, com um saldo de 137.336 postos de trabalho. Este valor é resultado do avanço de 7 dos oito setores de atividades considerados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, tendo principal destaque os Serviços (60.961), seguido da Indústria de Transformação (37.449 postos) e do Comércio (26.685).


No emprego total do mês, o saldo foi puxado pelo crescimento em 5 regiões: Nordeste (62.177), Sudeste (38.933), Sul (18.063) e Norte (10.262). Entre os estados, a liderança é assumida por São Paulo, que criou 22.448 novos postos. Em segundo lugar está Pernambuco (21.414), seguido de Alagoas (15.179) e Paraná (9.487). No desempenho nacional dos estados do Sul, durante o acumulado do ano, Santa Catarina encontra-se no 5º lugar, enquanto o Paraná se encontra no 3º (54.958) e o Rio Grande do Sul no 8º (21.926).



Com relação à Indústria de Transformação nacional, houve crescimento em 8 dos 12 subsetores. Os principais destaques em setembro de 2018 foram as indústrias de Alimentos e Bebidas (29.652 postos), Madeira e Mobiliário (2.047), Metalúrgico (1.816) e Químico e Produtos Farmacêuticos (3.435). Mostrou menor desempenho a indústria de Borracha, Fumo e Couros (-3.589). No ano, a indústria de transformação catarinense se encontra no 2º lugar no ranking do saldo de empregos, com 20.766 postos de trabalho, atrás apenas de São Paulo, que tem, até setembro de 2018, saldo de 45.007.



Detalhes dos resultados por municípios e setores podem ser acessados no Painel de Saldo de Empregos, no Portal Setorial FIESC.

  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

Iniciativa da FIESC - Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina

Rod. Admar Gonzaga, 2765 - Florianópolis/SC - 88034-001